Warning: Use of undefined constant ĎWP_MEMORY_LIMITí - assumed 'ĎWP_MEMORY_LIMITí' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/storage/5/23/28/cloudcomputingbrasil/public_html/wp-config.php on line 42

Warning: Use of undefined constant í128Mí - assumed 'í128Mí' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/storage/5/23/28/cloudcomputingbrasil/public_html/wp-config.php on line 42
As preocupa√ß√Ķes com a evolu√ß√£o da Internet das Coisas, IoT. - Cloud Computing Brasil

As preocupa√ß√Ķes com a evolu√ß√£o da Internet das Coisas, IoT.

As preocupa√ß√Ķes com a evolu√ß√£o da Internet das Coisas, IoT.

Por que os profissionais de TI devem se preocupar desde j√° com a Internet das Coisa.

A IoT traz consigo aplica√ß√Ķes mirabolantes e a promessa de disrup√ß√£o. Mas uma coisa √© certa – h√° tantas d√ļvidas a respeito da tecnologia quanto haver√° gigantescas quantidades de gigabytes sendo geradas pelos sensores

Jonathan Hassell, CIO/EUA Publicada em 18 de fevereiro de 2017 às 08h15

A Internet das Coisas (IoT) promete tornar tudo mais inteligente e eficiente. As redes inteligentes, os contadores inteligentes, as geladeiras inteligentes e os carros inteligentes s√£o apenas alguns exemplos mencionados em cada artigo e paper sobre o tema. Mas enquanto esperam pelas aplica√ß√Ķes atraentes e inovadoras, os CIOs continuam a ter duas grandes √°reas leg√≠timas de preocupa√ß√£o quando pensam em como a mec√Ęnica da IoT afetar√° suas organiza√ß√Ķes: armazenamento e seguran√ßa.

Manuseio da grande quantidade de dados
√Č not√≥rio que o c√©rebro humano tem dificuldade pa¬†ra entender com precis√£o n√ļmeros grandes demais. Mas n√£o h√° como contornar o fato de que grandes n√ļmeros s√£o necess√°rios para estabelecer o contexto da Internet das Coisas. De acordo com a Cisco, existem atualmente 10 bilh√Ķes de coisas – celulares, PCs e objetos – conectados √† Internet. Isso soa como muito, certo? Mas isso √© uma fra√ß√£o insignificante de 1 por cento dos dispositivos reais existentes no momento. H√° mais de um trilh√£o de dispositivos l√° fora, neste exato minuto, que ainda n√£o est√£o falando com a Internet, mas em breve estar√£o.

Em um mundo onde, de acordo com a IBM, um carro conectado pode gerar 25 GB de dados a cada hora, os CIOs devem começar desde já a fazer planos para abrigar o gigantesco furacão de dados a caminho. E, apesar de armazenamento ser barato hoje, em comparação com as médias históricas, a grande quantidade de dados a ser gerada não tem precedentes na história da computação.

“O impacto da Internet das coisas na infraestrutura de armazenamento √© outro fator que contribui para a crescente demanda por mais capacidade de armazenamento, ¬†de acordo com relat√≥rio do Gartner sobre a Internet das Coisas e o Data Center. “O foco hoje deve estar na capacidade de armazenamento, e em como a empresa pode ou n√£o coletar e usar dados a partir da Internet das Coisas, de forma eficaz em termos de custos”, continua o relat√≥rio.

CIOs precisam desenvolver estratégias para lidar com IoT, já que aspectos desta iminente avalanche de dados incluem:

1 – Conservar os dados, inicialmente, no momento em que s√£o gerados
Voc√™ provavelmente vai receber dados de dispositivos da Internet das Coisas em uma variedade de formatos, estruturados e n√£o estruturados. Como voc√™ vai armazen√°-los? Voc√™ s√≥ vai escrev√™-los em disco no formato que os receber e descobrir a fa;ta de padr√£o mais tarde? Voc√™ vai configurar uma inst√Ęncia Hadoop online para processar esses dados? Voc√™ vai torn√°-los dispon√≠veis a cada hora, diariamente, semanalmente ou em algum outro intervalo de tempo?

2 – Categorizar e classificar os dados recebidos
Voc√™ pode n√£o se preocupar com todos os dados que voc√™ estar√° recebendo a cada hora, de cada dispositivo. Mas, novamente, a parte dos dados que voc√™ n√£o est√° interessado hoje pode ser a chave para uma an√°lise amanh√£. Como voc√™ ir√° desenvolver sistemas de classifica√ß√£o? Voc√™ vai reter alguns dados classificados como relevantes imediatamente e, s√≥ mais tarde, arquivar os dados brutos? Quantas vezes voc√™ vai rever os seus resultados e suas classifica√ß√Ķes para se certificar que que estejam alinhados com suas expectativas?

3 – Definir por quanto tempo manter esses dados
Voc√™ ter√° que descobrir o que acontece com qualquer dispositivo ou sensor conectado, ¬†em momentos aleat√≥rios, em qualquer dia da semana, nos pr√≥ximos 10 anos? Em algum ponto voc√™ ter√° que tomar algumas decis√Ķes sobre a reten√ß√£o de registros. Caso contr√°rio, seus advogados v√£o faz√™-lo por voc√™. Mas voc√™ precisa descobrir por quanto tempo manter o material, e de que forma. Voc√™ vai descartar alguns dados no fim do ano? Vai fazer um pacote cumulativo? Vai arquivar alguns dados na nuvem?

4 РDefinir quais dados descartar, com segurança
Com o advento do IPv6, existem endere√ßos suficientes para dar a cada √°tomo na Terra 100 n√ļmeros IPv6, de modo que, no futuro, n√£o haja qualquer necessidade de mascarar endere√ßos. N√≥s vamos ser capazes de identificar cada dispositivo, o que significa que h√° preocupa√ß√Ķes de seguran√ßa e privacidade que precisam ser abordadas ao descartar dados com esse tipo de informa√ß√£o rastre√°vel nele. Qual ser√° o seu plano para isso?

5 РResponder a uma série de perguntas de segurança ainda em aberto
A segurança dos dispositivos conectados é importante, claro, mas talvez a segurança da rede e da plataforma sejam ainda mais cruciais para que esses dispositivos estejam conectados.

Uma boa parte dos CIOs vai lidar com a primeira fase da Internet das Coisas através do investimento e implantação de uma plataforma: a o sistema Brillo, Da Google, a plataforma AllJoyn, da Qualcomm e a plataforma criada pelo Industrial Internet Consortium.

A ideia por tr√°s de uma plataforma, entre outras coisas, √© a de criar rapidamente a rede com os dispositivo que voc√™ precisa para realizar as tarefas de IoT. Mas o que acontece quando h√° uma viola√ß√£o ou uma vulnerabilidade? Que tipos de riscos existem para os sensores, os dados, a transmiss√£o desses dados, se ocorrer um erro? Que tipos de prote√ß√Ķes s√£o incorporadas ao protocolo de compartilhamento e conectividade para tornar as transmiss√Ķes seguras,¬† criptografadas e n√£o vulner√°veis a ataques man in the middle, entre outros? Como √© que vai integrar a seguran√ßa na plataforma IoT com os produtos existentes de seguran√ßa, as pol√≠ticas e procedimentos que voc√™¬† j√° tem implantados ma sua organiza√ß√£o hoje?

“A seguran√ßa IoT atual √© compar√°vel √† da internet foi em 1984”, diz Raj Goel, CTO da Brainlink International, uma empresa de consultoria sediada em Nova York. “Adicionando IoT ao curr√≠culo de desenvolvedores n√£o torna suas aplica√ß√Ķes magicamente seguras. Grandes desenvolvedores n√£o t√™m sido capazes de construir e vender roteadores dom√©sticos seguros (que t√™m muito mais CPU, RAM e capacidades do que os dispositivos da Internet das Coisas).”

De fato, n√£o h√° muitas pessoas na ind√ļstria de TI capazes de gerenciar redes com um grande n√ļmero de dispositivos conectados no e estilo que prenuncia a Internet das Coisas.

Departamentos de TI devem se preparar para um mundo onde tudo que está ligado é uma potencial vulnerabilidade.

Uma coisa √© uma quebra de seguran√ßa que resulta em tempo de inactividade ou perda de dados, ou roubo de n√ļmeros de cart√Ķes de cr√©dito ou outras informa√ß√Ķes personalizadas. Mas o que acontece quando os profissionais de seguran√ßa s√£o respons√°veis por proteger a disponibilidade de sistemas orientados a eventos em tempo real?

Os cen√°rios apocal√≠pticos s√£o infinitos. Basta imaginar sistemas hospitalares de distribui√ß√£o de medicamentos, sem√°foros urbanos ou sistemas municipais da √°gua sendo atacados. ‚ÄúEm muitas ind√ļstrias, a vida humana vai estar em risco‚ÄĚ, alerta Christian Byrnes, do Gartner. ‚ÄúIsto √©¬† muito diferente de tudo o que tivemos que proteger at√© agora‚ÄĚ.

À medida que edifícios e outros sistemas no mundo físico se tornam instrumentos com sensores, a segurança física será misturada com a cibersegurança, sob a responsabilidade do departamento de TI. Isso coloca um outro nível de responsabilidade nos ombros dos profissionais de segurança.

Quando os CIOs olharem para o futuro, eles precisar√£o de ir al√©m de simplesmente proteger os sistemas inform√°ticos. ‚ÄúA estrat√©gia √© detectar, isolar e responder‚ÄĚ, lembra o Gartner.

Esta mudança é o maior desafio já enfrentado pelas TI. A transição do mainframe para servidores, ou a transição para a mobilidade, vão parecer brincadeira de criança.

– See more at: http://cio.com.br/tecnologia/2017/02/18/por-que-os-profissionais-de-ti-devem-se-preocupar-desde-ja-com-a-internet-das-coisas/#sthash.NtyT7vqC.dpuf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0